Welcome to the Matrix

matrix.jpg

Acho que grande parte das pessoas descobriu o filme Matrix como eu: um dia estava passeando pela locadora e viu aquela fita com capa futurista e meio psicodélica. Resolveu pegar e bah!, achou o filme muito bom!

O primeiro filme de Matrix (1999) encanta porque é despretensioso e traz às telas um medo que, bem lá no fundinho, todo mundo tem – o de ser dominado pelas máquinas. A idéia de que vivemos em um mundo de ilusão, que nossos corpos são usados por robôs super-desenvolvidos e que nossa consciência é enganada cotidianamente pela rede em alguns momentos nem parece tão absurda assim.

Matrix traz, assim como várias obras de ficção científica, uma visão tecnófoba – ou faústica – em relação ao desenvolvimento da tecnologia. A imagem do ambiente precário fora da Matrix e do ser humano que progrediu maquinisticamente (com as naves e as armas, por exemplo) mas que regrediu absurdamente em qualidade de vida e em organização social é um retrato do medo frente a um futuro incerto. Em suma, Matrix elabora um receio, que mesmo que inconsciente, assombra as nossas vidas – e que podemos perceber em situações mais comuns para nós, como a oposição aos transgênicos e a clonagem.

Por outro lado, a existência de seres humanos que se libertaram do sistema das máquinas demonstra a crença de que a tecnologia nunca superará o homem, pois é baseada em cálculos e programas e não consegue ultrapassar o simples raciocínio lógico.

Sem me aprofundar no caráter filosófico da coisa (e pra não correr o risco de falar coisas que os intelectuais gostariam de ler o.O), vou seguir com a trilogia. Quatro anos depois de o primeiro filme ter sido lançado, os irmãos Wachowski resolveram terminar a história que começaram. Em um período muito curto, chegaram aos cinemas o número 2 e o número 3 da série: Matrix Reloaded e Matrix Revolutions.

Reloaded foi bastante assistido, embalado pela ânsia e nostalgia dos fãs do primeiro episódio. Mas, apesar da belíssima atuação do Keanu Reves, foi um desastre. Como já ouvi algumas pessoas dizendo poraí, quem assistiu o 3 nos cinemas foi por muita, mas muita insistência. E eu, por exemplo, só vi na semana passada, em DVD. Acho que ninguém se importa se eu contar o final aqui né?

matrix-revoltions-okok.jpg

Por mais incrença que parível, Matrix Revolutions não decepciona e faz um meio termo entre o primeiro e o Reloaded. As cenas de ação chegam a cativar e não fazem o telespectador se sentir um idiota por estar insistindo naquilo ali. Neo mata o Smith – aquele programa malvado – de um jeito besta, mas durante o filme existe uma certa equivalência entre os dois. E, apesar do final triste, em que Neo e Trinity morrem – e do sentimentalismo barato dessa parte – a resolução da trilogia traz a paz entre os humanos e as máquinas. Um final realista, dentro do possível, onde ninguém vence e nem sabe o quanto a tal da paz vai durar – bem como no mundo real.

Postado por Débora

Anúncios

3 Responses to Welcome to the Matrix

  1. fredhillage disse:

    Meu professor de filosofia falou que tinha assistido Matrix no cinema e adorado, coisa que me surpreendi (até porque cansei de ver acadêmico falando que não ia assistir o filme, porque ele não deveria ter nada de revolucionário no cinema).

    Ele disse também que não ia assistir as continuações, pelas pesadas críticas que tinham feito a elas. Tive que concordar.

    Assisti o Matrix 1 em 2002, o Reloaded também em 2002 e o Revolutions em 2004, um pouco antes desse professor falar isso. Quando terminei de assistir o Revolutions, desliguei a TV com a certeza de que não deveria nunca ter assistido essa continuação.

    Mas a curiosidade pode matar, né…

  2. catbella disse:

    Quando estava na faculdade,lembro-me de que eu e minha turma ficavamos horas discutindo Matrix filosóficamente.Era uma “viagem” muito louca e sem precisarmos ficar chapados.Mas as sequências realmente deixaram a desejar.

  3. henrique fernandes disse:

    matrix e uma triologia q traz a guerra dos homens e as maquinas

    por um momento assistindo matrix revolutions

    quando a guerra acontecia enquanto neo morria pensava q neo sairia novo em folha bem nao tao novo com ums arranhoes e claro eu sabia q o neo ia desistir quando deixou a mao de smith penetrar em seu estamago o transformando em seu clone pra mim quando vi smith tirandoo oculos escuro do rosto de neo e se destruindo eu pulei a sala toda de alegria mas aconteceu q neo olhou para os lados para ver se alguem iria arrajar briga ninguem foi neo entao se ajoelhou e caiu
    ai acabou todos se destruirao quando a cena q morpheu diz ele conseguiu se sacrificou por nos eu chorei de tristeza mas ele fes a escolha certa a escolha dele
    neo foi corajoso apesar de ser so um filme e um filme de deixar emoçoes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: